Dicas de Amamentação
e Cuidados com o Bebê

ALEITAMENTO MATERNO

VANTAGENS DO ALEITAMENTO MATERNO

Para a mãe:
• Fortalece o vínculo afetivo
• Favorece a involução uterina e reduz o risco de hemorragia
• Contribui para o retorno ao peso normal
• Contribui para o aumento do intervalo entre gestações
• O leito é limpo, está pronto e na temperatura adequada e não tem custo

Para a criança:
• É um alimento completo, não necessitando de nenhum acréscimo até os seis meses de idade
• Facilita a eliminação de mecônio e diminui a incidência de icterícia
• Protege contra infecções
• Aumenta o vínculo afetivo
• Diminui as chances de desenvolvimento de alergias
• Melhor utilização de nutrientes, favorecendo a digestão e a absorção
• Previne alergias
• Bacteriologicamente seguro, não tem risco de contaminação
• Propriedades imunológicas – “vacina”
• Evita a superalimentação, obesidade

COMO CUIDAR DAS MAMAS DURANTE A GESTAÇÃO


Na gestação as mamas aumentam e ficam sensíveis, a pigmentação da aréola e dos mamilos escurece e o colostro pode aparecer a partir da 10ª semana de gestação, aparecem pequenos “pontos” na aréola, são as glândulas de Montgomery que proporcionam a hidratação da aréola e mamilos (O corpo está se preparando para amamentar...)
• O Ministério da Saúde não recomenda mais o uso de buchas, pois elas retiram a hidratação natural das mamas
• Usar sutiã durante a gestação. De preferência, sutiã com boa sustentação, alças largas e sem arcos. O sutiã deve ser usado à noite também
• Fazer banhos de sol nas mamas durante 15 minutos (antes das 10 horas da manhã ou depois das 16 horas). Caso não seja possível, fazer banho de luz com lâmpada de 40 watts (usar a um palmo de distância da mama)
• Evitar uso de sabões, sabonetes, pomadas e cremes no mamilo
• Não fazer a expressão de leite (ordenha) durante a gestação. Ela pode levar ao parto prematuro
• Pode ser recomendado (pelo obstetra) o uso de conchas para mamas com mamilos planos, semi-invertidos ou invertidos


COMO AMAMENTAR

Para o sucesso da amamentação são importantes dois fatores: a posição da mãe e do bebê e a “pega correta” do bebê.
A posição da mãe e do bebê
A mãe deve escolher uma posição onde esteja confortável e relaxada:
Tradicional: É a posição em que a mulher carrega seu bebê no colo, o bebê deve ser posicionado de lado, olhando para a mama (de frente para mama), barriga do bebê com barriga da mamãe, a mão livre posiciona a mama para o bebê.
Deitada: É mais usada no primeiro dia do parto, se for cesariana. Eleve a cabeceira da cama e coloque o bebê lateralmente e com apoio do travesseiro ( a cabeça do bebê deve ficar mais elevado que o corpo), desta forma, a região operada não é comprimida.
Posição de Cavalinho: É a mais adequada para mulheres com mamas grandes (volumosas). Procure sentar de forma confortável e posicione o bebê sentado sobre sua perna. Apóie a cabeça do bebê e com a mão livre posicione a mama para o bebê.
Posição Invertida: É indicada para bebês pequenos e para mulheres com mamas grandes. Procure sentar de forma confortável. Segure o bebê em posição invertida, posicionando o pezinho em direção a cabeceira da cama ou do sofá. Pode ser usado um travesseiro para apoio.























Figuras com as posições tradicional, invertida, deitada.                   Figura com as diversas posições para a amamentação de gêmeos.



“Pega correta”
• A barriga do bebê deve estar junto ao corpo da mãe
• A boca do bebê deve estar bem aberta
• O lábio inferior do bebê fica virado para fora (“peixinho”)
• O queixo do bebê toca a mama da mãe
• O bebê abocanha quase toda a aréola

AMAMENTANDO


1ª Etapa:
Antes de amamentar, lave as mãos e verifique se a aréola está macia e flexível.
2ª Etapa:
Caso esteja endurecida, inicie uma massagem suave, com movimentos circulares desde a aréola até a base da mama. Alterne a massagem com expressão do leite.
3ª Etapa:
A expressão do leite deve ser feita com o dedo polegar acima da linha da aréola e o dedo indicador abaixo da linha da aréola.



4ª Etapa:
Antes de levar o seio ao bebê, passe algumas gotas de leite ao redor do mamilo. Ao amamentar sustente a mama com sua mão em forma de "C" apoiando os 4 dedos sobre a mama e posicionando o polegar afastado da aréola. Faça uma suave compressão para sair algumas gotas de leite, a seguir toque seu mamilo no lábio inferior do bebê, assim o bebê abre a boca e abocanha o mamilo e parte da aréola.

O bebê deve estar relaxado e dando sugadas grandes e espaçadas, sem fazer barulho. A pega correta evita lesões nos mamilos.
É importante que a mãe também esteja tranquila e o ambiente favorável à amamentação. O apoio do pai e familiares é fundamental para o sucesso da amamentação.

DIFICULDADES NA AMAMENTAÇÃO

Em relação à amamentação:
• Medo de ficar eternamente ligada ao bebê
• Preocupação com a estética das mamas
• “E se não conseguir atender às suas necessidades?”
• “O meu leite será bom e suficiente?”
• Dificuldades iniciais sentidas como incapacitação

PEGA INCORRETA

Quando o bebê abocanha apenas o mamilo, ele não ingere quantidade suficiente de leite, ficando agitado e choroso. A pega incorreta causa fissuras no mamilo, levando a mãe à dor, ansiedade, tensão e perda de auto-confiança.

FISSURAS (ou rachaduras)

Manter as mamas secas, não usar sabonetes, cremes ou pomadas, também ajuda na prevenção. Recomenda-se tratar as fissuras com o leite materno do fim das mamadas, banho de sol e correção da posição e da pega.

INGURGITAMENTO (ou empedramento)

Segundo o Ministério da Saúde, mamas ingurgitadas são mamas dolorosas, edemaciadas (inchadas), às vezes, avermelhadas e a mulher pode ter febre.
Para evitar ingurgitamento, a pega e a posição para amamentação devem estar adequadas e, quando houver produção de leite superior à demanda, as mamas devem ser esgotadas até obter alívio. Sempre que a mama estiver ingurgitada, a expressão do leite deve ser realizada para facilitar a pega e evitar fissuras. O ingurgitamento mamário é transitório e desaparece entre 24 e 48 horas.
Caso a secreção de leite seja superior às necessidades do seu filho, a lactente pode doar seu leite a um banco de leite humano.

MASTITE

É um processo inflamatório ou infeccioso que pode ocorrer na mama, habitualmente a partir da segunda semana após o parto. Geralmente, é unilateral e pode ser conseqüente a um ingurgitamento e fissura indevidamente tratados. Essa situação exige avaliação médica para o estabelecimento do tratamento medicamentoso apropriado. A amamentação na mama afetada deve ser mantida, sempre que possível e, quando necessário, a pega e a posição devem ser corrigidas.
Os mamilos possuem pequenos orifícios (por onde sai o leite) que serve de porta de entrada para microrganismos. Geralmente, a mãe troca a fralda do bebê antes de amamentá-lo. Sendo assim, recomenda-se lavar as mãos depois da troca de fraldas e antes da amamentação. É uma maneira simples e eficaz de evitar a mastite.

TIPOS DE LEITE MATERNO E SUAS FASES

Colostro
O colostro é amarelo, viscoso e levemente salgado. Tem alto valor nutritivo e transmite ao bebê os anticorpos da mãe, protegendo-o contra doenças. Ele é rico em imunoglobulinas, vitamina E (anti-hemolítica nesta fase), vitamina A (integridade celular), colesterol (para desenvolvimento cerebral e mielinização). Sua composição química é laxativa, o que favorece a liberação do mecônio (primeiras fezes do bebê, que contém resíduo do líquido amniótico).
• Até o 7º dia = colostro
• Entre o 7º e 15º dia = leite de transição
• Após o 15º dia = leite maduro

Leite Maduro
É produzido após o 15º dia. O leite é mais claro, translúcido. Pelo aspecto claro, muitas mães pensam que o leite está “fraco”. Porém o leite muda de aspecto de acordo com as necessidades do bebê. Não existe leite fraco.
O leite de vaca tem aspecto mais “forte”, porém ele contém altíssima quantidade de cálcio, que é prejudicial ao sistema renal dos bebês humanos.

Leite Anterior e Posterior
Nos primeiros 10 minutos é o leite anterior, que tem mais água, e a função é matar a sede do bebê, que não necessita de complemento de água. Nos segundos 10 minutos produz o leite posterior, que tem mais gordura e engorda o bebê.
A cada mamada deve-se realizar o rodízio das mamas, sempre começando pela mama em que o bebê terminou a última mamada. Mesmo no período de amamentação poderá ocorrer uma nova gestação, assim sendo há necessidade de contracepção que será orientada pelo seu médico.
Com as alterações hormonais a vagina está mais ressecada e a libido pode estar em baixa, aos poucos, a mamãe e o papai encontrarão a melhor maneira de recomeçar.

VOLTA AO TRABALHO

A organização para a volta ao trabalho deve ser começada em torno de uns 20 dias antes. Assim, quando ela ocorrer não causará tanto impacto para a mãe e o bebê.
O leite materno deve ser esgotado e armazenado em freezer. Quando for utilizar, deve-se retirar do freezer e descongelar em banho-maria. O leite não deve ser descongelado em microondas, pois ele interfere na composição do leite. A temperatura deve estar morninha para oferecer ao bebê. A melhor forma de oferecer o leite ao bebê é de copinho, desta forma, evita-se que o bebê deixe de mamar no peito.

COMO ESGOTAR E ARMAZENAR O LEITE

As recomendações da rede brasileira de bancos de leite são:
• A higiene no momento de esgotar o leite assegura a qualidade do mesmo
• A mãe deve manter a higiene diária
• A mãe deve lavar as mãos e antebraços com água e sabão antes de esgotar o leite
• Não usar produtos que exalem cheiro (perfumes, cremes, desodorantes fortes)
• Deve estar com os cabelos presos e, de preferência, usando máscara
• Desprezar os primeiros jatos de leite: 2 a 5 ml de leite (reduz 90% das bactérias, pois elas ficam nos ductos)
• Utensílios devem ser esterilizados previamente (potes de vidro com tampa plástica são submersos em água fervente, durante 15 minutos, e após são colocados sobre panos de prato - limpos e utilizados apenas para esta finalidade- de boca para baixo)
• O esgotamento pode ser feito através de bombas (esgotadeiras) ou manualmente
• Alternar a mama a cada 5 minutos ou quando diminuir o fluxo de leite
• Após esgotar, deve-se passar o leite na região dos mamilos e aréola, pois ele, além de manter a elasticidade da pele, também possui substâncias bactericidas
• Depois de coletado, deve-se colocar no recipiente, anotar a data e armazenar na geladeira (validade de 12 horas- até 5ºC) ou no freezer (validade de 15 dias- 3ºC negativos ou menos)


RECÉM-NASCIDO

CARACTERÍSTICAS DO RECÉM-NASCIDO

A aparência dos recém-nascidos é um pouco diferente dos bebês rosados e robustos que aparecem nos comerciais. Mas isso é totalmente compreensível: depois de ficar nove meses dentro de uma bolsa de líquidos, todo encolhido, ele nasce com algumas marcas avermelhadas no corpo, tem as pálpebras um pouco inchadas, uma cor azulada nos pés, mãos e olhos, a pele meio enrugada, a cabecinha um pouco achatadas, as pernas levemente arqueadas. Os mamilos, um tanto inchados nos meninos e meninas. Tudo normal é só limpá-lo delicadamente e não espremê-los. Os órgãos genitais para ambos os sexos geralmente aparecem inchados e é comum que as meninas apresentem corrimento (efeito dos hormônios da mãe).

Nos três primeiros dias ele vai ser observado atentamente pelo seu pediatra, ao nascer, na sala de parto, passa por exame físico completo, examina a moleira, confere se o palato está completo, palpa o abdomem para ver se os órgãos estão no tamanho certo, verifica a pulsação da virilha, se houver deslocamento dos quadris e se as vértebras estão no lugar, recebe então a nota do apgar que é a avaliação feita nos primeiros 10 minutos de vida resultado da observação da respiração, frequência cardíaca, cor da pele, reflexos e tônus muscular.

Seu peso, mamadas e eliminações vesicais e intestinais são controladas até a alta hospitalar.

O “amarelão” (taxa alta de bilirrubina) pode ser:
• Fisiológico: se ocorrer após 24 horas de vida. É visível a partir do 2º ou 3º dia e desaparece em, mais ou menos, uma semana
• Patológico: quando surge nas primeiras 24 horas de vida e pode levar até 10 dias para desaparecer

No final da primeira semana o retorno ao consultório do pediatra servirá para reavaliar o bebê e tirar muitas dúvidas, o ganho de peso, o tempo e frequência das mamadas, a cicatrização do umbigo; faça anotações de como foram os dias em casa e relacione as dúvidas a serem perguntadas ao pediatra; aos poucos a nova rotina vai se estabelecendo e vocês, curtindo cada vez mais o pequeno.

Depois de três semanas, o bebê já pode ser levado a dar pequenos passeios no carrinho até a esquina ou no playground do prédio. O choro pode ser de fome, de frio, de calor, dor, insegurança ou ansiedade materna, então, se acalme, converse com o bebê, pegue-o no colo, troque suas fraldas, amamente e logo, logo vocês estarão em completa sintonia , pois é uma relação que está iniciando, até uma música suave pode ajudar a acalmá-lo.

Com 6 semanas, o bebê já tem maior controle das pernas, consegue levantar a cabeça por alguns instantes, chora menos e pode ficar na cadeirinha. A grande novidade: começa a dar risadinhas.

TESTE DO PEZINHO


É a coleta de algumas gotas de sangue do bebê. É realizado após 48 horas de nascimento e a coleta é feita no calcanhar do pezinho do bebê. A função deste exame é diagnosticar doenças precocemente.


TESTE DA ORELHINHA


O exame é indolor, coloca-se um pequeno fone na parte externa do ouvido o qual emite sons por um tempo de 3 a 5 minutos. A função é avaliar a audição dos em recém-nascidos.


TESTE DO OLHINHO


É um exame simples, realizado pelo pediatra antes da alta hospitalar. É emitido uma fonte de luz e observa-se o reflexo na retina do bebê. Tem a finalidade de investigar a presença de doença ocular e realizar o tratamento precocemente.


DESENVOLVIMENTO DO BEBÊ

1 a 2 meses
Olha para objetos coloridos/ gosta de ver o rosto da mãe/ responde ao sorriso/ reage ao som/ eleva a cabeça.

4 meses
Mais ativo: olha para quem o observa/ acompanha com o olhar e responde com balbucios/ leva objetos à boca/ aprecia a companhia da mãe/ levanta a cabeça e ombros/ ri/ emite sons.

6 meses
Quando ouve uma voz procura com o olhar/ olha e pega tudo/ vira a cabeça na direção de uma voz ou barulho/ vira-se sozinho/ tenta alcançar brinquedos.

9 meses
Estranha pessoas de fora de casa/ fica sentado sem apoio/ pode se arrastar ou engatinhar/ transfere objetos de mãos/ brinca de esconde-achou/ duplica sílabas (mama, papa).

12 meses
Mostra o que quer/ segura objetos em “pinça”/ dá tchauzinho/ bate palmas/ engatinha ou anda com apoio/ imita sons de fala.

Desenvolver-se é crescer, aprender e fazer coisas novas, diferentes. Cada criança tem um jeito próprio de se desenvolver. Conversar e brincar com o bebê com muito carinho, desde o nascimento, faz com que ele se desenvolva.



CUIDADOS COM BEBÊS


POSIÇÕES PARA ARROTAR

Estas são as possíveis posições para arrotar. Logo após a mamada, eleve o bebê. Não é necessário dar tapinhas nas costas do bebê. Caso ele não arrote em 15 minutos, pode ser levado ao berço.






Sobre o braço, sobre o peito.


ENGASGOS

Não se apavore. Deixe a cabeça do bebê abaixo do corpo. Não dê “sustos” ou assopre a criança. Observe se há algum objeto na boca ou nariz. Vire o bebê de lado para que escorra o leite ou secreção que tenha na sua boquinha. Caso o bebê comece a ficar cianótico (roxinho) e mole, vire o bebê de barriga para baixo e dê 5 “tapinhas” nas suas costas.


CÓLICAS

Desconfortos são comuns do 10º dia de vida até o 3º mês e acontecem por causa da imaturidade do sistema digestivo. Isso leva certo tempo até se regular.

Como saber se ele está com cólica?
O choro do bebê é estridente, ele fica inquieto, vermelho, faz caretas e contorce as perninhas levando-as até a barriguinha.
É importante que o bebê não engula ar nas mamadas, por isso a forma de abocanhar deve ser observada, pois todo ar engulido provoca gases. O mesmo vale para a mamadeira, o bebê deve estar bem posicionado (inclinado).E sempre fazer o bebê arrotar depois de mamar. Nunca abaixe a cabeça do bebê depois de mamar, primeiro faça-o antes de arrotar.

O que fazer??
Como os homens têm a temperatura do corpo um pouco mais elevada que as mulheres pode ser que as cólicas se resolvam mais rápido quando o bebê é colocado na barriga ou no antebraço do papai ou quando é o papai que faz as massagens. Os métodos são: massagem com óleo no sentido horário, exercícios de “bicicletinha”, bolsa de gel ou sementinhas ou método da contenção (coloca o bebê em forma de “cadeirinha”). As massagens devem ser feitas antes das mamadas para não provocar refluxo do leite ingerido.

ROTINA DE SONO

Durante a gestação, na maioria dos casos, os bebês ficam mais calmos durante o dia e se movimentam mais durante a noite. Este mesmo ritmo permanece durante uma ou duas semanas após o nascimento.

Sugestões para que o bebê durma bem à noite:
• Dê banho
• Amamente-o
• Faça-o arrotar
• Deixe-o no berço
• O ambiente deve estar escurecido
• Pode-se colocar uma música bem calma (Escolha uma música bem gostosa. Durante a gestação, quando a mamãe estiver cansada ou o bebê muito agitado, coloque esta música. Depois que o bebê nascer, use a mesma música para acalmá-lo: funciona!) Se o bebê for amamentado durante o dia de 3/3 horas ou, no máximo, de 4/4 horas, a sua última mamada pode ser à meia-noite. Esta regra não vale para bebês prematuros ou outros casos de recomendação médica.

BANHO DO BEBÊ

• Deve ser diário, porque o bebê transpira e faz xixi e cocô várias vezes por dia. Como sua pele é muito sensível, a falta de higiene adequada pode provocar irritações e assaduras.

• Separe tudo (sabonete, cotonete, álcool 70%, algodão, pomada assadura, 1 macacão, 1 fralda,1 meia, sapatinho, pagãozinho, toalha, toalha fralda) que será usado durante e depois do banho, deixe num local de fácil acesso, ao alcance das mãos e na seqüência que vai vestir. Retire jóias e prenda os cabelos.

• Procure manter sempre o mesmo horário e local, feche portas e janelas para evitar correntes de ar e desligue o aquecedor durante o banho.

• A banheira deve ser de material rígido, mas confortável e seguro. Lave-a com água e sabão e passe álcool antes de utilizar.

• A água pode ser do chuveiro, ferver é desnecessário. A temperatura deve ficar em torno de 37°C: teste com o cotovelo, a sensação tem de ser agradável. Se não tiver prática, use um termômetro.

• Quantidade: o ideal é que a água cubra o tórax do bebê quando ele estiver recostado sobre o braço, numa inclinação de 30 graus. Não deixe o bebê molhado fora da água por muito tempo, pois ele perde calor rapidamente. Antes de colocá-lo na banheira limpe bem os genitais e lave as suas mãos, para não contaminar a água .

• Use sabonete neutro para evitar irritações e, de preferência, líquido, cujo manuseio é mais fácil.

• Não há necessidade de tampar os ouvidinhos.

• Na primeira semana a unha não deve ser cortada e sim lixada.

• Vá jogando a água sobre ele aos poucos, evitando o rosto e os ouvidos. Converse com o bebê, dizendo as partes do corpo que está lavando.

• Use uma toalha macia (toalha fralda) e seque com cuidado todas as “dobras” da criança para evitar assaduras. Se elas aparecerem, converse com o pediatra para lhe prescrever uma pomada.

Tipos de banho

Não há nenhuma técnica consagrada: banho bom é aquele em que o bebê está tranqüilo e a mãe e o pai, seguros. Nessa hora, encontrar uma posição mais confortável para a criança – tanto faz se de frente ou de bruços é melhor do que seguir receitas e posições fixas. De modo geral, há dois roteiros básicos para os primeiros banhos:

Em partes
1 - Antes de tirar a roupa do bebê, lave seu rostinho com a mão ou passando um chumaço de algodão embebido em água morna. Seque com toalha fralda macia.
2 - Limpe a parte externa do ouvido com a toalha fralda e o dedo indicador, o nariz com rolinho de algodão.
3 - Encaixe o corpo do bebê embaixo de suas axilas, com a barriga para cima e lave a cabecinha com a água da banheira. Em seguida seque.
4 - Tire a roupa dele e lave o restante do corpo.

Corpo inteiro
1- Segure o bebê com firmeza (pescoço na dobra do seu braço e com 3 dedos no seu ombrinho,a outra mão segure os pezinhos) coloque na banheira devagar.
2- Comece lavando o rosto, usando apenas água (com a mão que estava nos pezinhos). Depois, ensaboe sua cabecinha com sabonete neutro e enxágue. Por último, passe ao corpo.
3- Durante o banho, deixe uma fralda sobre o corpo dele: em contato com a água morna, o tecido ajuda a manter a temperatura por mais tempo e evita ar frio.

CORDÃO UMBILICAL

Não use faixa abdominal ou curativo com gaze, porque o coto desidrata mais rapidamente se não estiver abafado. Cai entre 7 e 14 dias.

A cada troca de fralda ou banho, a parte que está perto da pele e que vai cair deve ser higienizada com cotonete (ali vai liberando um pouco de sangue ). Use cotonete umedecido com álcool 70 % 3 x ao dia.

É uma área indolor, não arde nem incomoda. O bebê pode se incomodar apenas com a temperatura do álcool.  Procure um pediatra se a região ficar avermelhada, com odor desagradável ou presença de secreção amarela.




REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada – manual técnico/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas – Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

BURROUGHS, Arlene. Uma introdução à enfermagem materna. 6.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

http://amamentando.wordpress.com/2006/09/14/4/ acesso em abril de 2009.

http://auxiliandomamaes.blogspot.com/2008/12/posies-de-amentao-e-pega-correta.html Acesso em abril de 2009.

http://guiadobebe.uol.com.br/gestantes/exercicios_durante_a_gravidez.htm acesso em abril de 2009.

http://guiadobebe.uol.com.br/parto/cuidados_no_posparto.htm acesso em maio de 2009.

http://guiadobebe.uol.com.br/recemnasc/como_livrar cólicas htm.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Puerp%C3%A9rio acesso em abril de 2009.

http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI2776-10584,00.html maio/ 2009.

http://saude.hsw.uol.com.br/sinais-e-sintomas-do-parto.htm acesso em maio de 2009.

http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?97 acesso em maio de 2009.

http://www.fiocruz.br/redeblh/media/coleta.pdf acesso em maio de 2009.

http://www.fiocruz.br/redeblh/media/doadora.pdf acesso em maio de 2009.

http://www.materiasespeciais.com.br/saude/info_parto_seguro.jpg acesso maio/2009.

http://www.rc.unesp.br/proama/pagfeitas/profissionais.htm Acesso em abril de 2009.

http://www.santalucia.com.br/ginecologia/gravidas/gravidas-p.htm acesso abril /2009.

REZENDE, J.; MONTENEGRO, C.AB. Obstetrícia fundamental. 6.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1991.

SALES, José. et al. Tratado de assistência pré-natal. São Paulo: Roca, 1989.

ZIEGEL,E.G.; CRANLEY,M.S. Enfermagem obstétrica. 8.ed. Rio de Janeiro: Inter americana, 1985.